Terça-feira, 30 de Setembro de 2008

Faz duas semanas que meu amor

 



Faz duas semanas que meu amor
E outros contos para mulheres
de Ana Paula El-Jaick

90 páginas
 

Prosa direta, redonda, envolvente, permeada de inteligência e bom humor. Assim se define este livro de Ana Paula El-Jaick. Em contos curtos e irreverentes, a autora fala do cotidiano de mulheres que amam, desiludem-se, enfrentam preconceito, descobrem-se, camuflam-se, divertem-se, transmutam-se. Leitura cativante.

Um lançamento da
 

publicado por o editor às 12:19
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 29 de Setembro de 2008

Mostra gay do Festival do Rio

Treze longas metragens formam a mostra gay do Festival do Rio.



Confira o programa completo, as salas e os horários de exibição de Mundo Gay.



. O novo mundo (Dir: Étienne Dhaene)


Há cinco anos, Lucie vive com o amor da sua vida, Marion. Quando Lucie demonstra o desejo de ter um filho, as duas enfrentam, além do problema para encontrar um doador de confiança, a resistência de suas famílias. Apesar de liberais, os pais de Lucie não aceitam a idéia de uma criança criada sem uma figura masculina. Já a religiosa mãe de Marion recusa-se a ter um neto que não seja fruto da sua filha. Ao fim de uma longa busca, Hugo, um amigo heterossexual, aceita participar do processo. Mas ele fica cada vez mais encantado com a idéia de ser pai, deixando Marion desorientada.


Terça - 30/09 - Palacio 2 14h


Terça - 30/09 -Palacio 2 19h


Quinta - 02/10 - Cine Glória - Memorial Getúlio Vargas 20h30


Sábado - 04/10 - Estação Botafogo 3 23h30



. Rainhas - Queen of Brazil (Dir: Fernanda Tornaghi, Ricardo Bruno)


Fábio, um rapaz de Rondônia, vai para o Rio de Janeiro com o objetivo de se tornar a próxima Miss Brasil Gay, um concurso nacional de beleza pouco conhecido mas que mobiliza a vida de vários rapazes em todo o país, que buscam o sonho de serem coroados a garota mais linda do Brasil


Sexta - 03/10 - Palacio 2 - 16h


Sexta - 03/10 - Palacio 2 - 20h15



. Bi the Way (Dir: Brittany Blockman, Josephine Decker)


A cortina de ferro entre gay e hétero está se levantando. Estudos recentes revelam que bissexualismo nos EUA está se tornando um fenômeno cada vez mais comum. Para a geração mais jovem, ficar com uma menina e no outro dia com um menino já não é uma grande questão. As diretoras embarcam numa viagem para explorar o mapa sexual dos EUA, investigando os mais recentes relatórios científicos e opiniões sociais sobre bissexualismo. O documentário retrata cinco bissexuais assumidos e tenta desvendar se o sucesso atual do bissexualismo é apenas uma moda passageira ou prepara uma nova revolução sexual.


Sábado - 27/09 - Estação Botafogo 1


Domingo - 28/09 - Est Barra Point 2 - 13h


Domingo - 28/09 - Est Barra Point 2 - 22h30:00


Quarta - 01/10 - Cine Glória - Memorial Getúlio Vargas - 20h30


Segunda - 06/10 - Palacio 2 - 14h



. Raquela, Uma Cinderela Com Algo A Mais - The Amazing Truth About Queen Raquela - (Dir: Olaf De Fleur Johannesson)


Raquela é uma filipina que sonha em encontrar um príncipe encantado e viver com ele na Europa. Só que ela é um transexual que ganha a vida nas ruas como prostituta. A pobreza e a dificuldade de conseguir um visto fazem de seu projeto de vida algo quase impossível. Mas quando Raquela consegue um novo emprego em um site pornô, sua sorte parece mudar. Pela internet, ela conhece Valerie, transexual islandês, e Michael, o americano dono do site. Os dois prometem ajudá-la a chegar em Paris. Vencedor do prêmio Teddy no Festival de Berlim de 2008


Sexta - 26/09 - Estação Botafogo 1 - 23h50


Segunda - 29/09 - Cine Glória - Memorial Getúlio Vargas - 20h30


Quarta - 01/10 - Est Barra Point 2 - 22h15


Quinta - 09/10 - Palacio 2 - 14h



. Corações de Mulher - Corazones de mujer - A Woman’s Heart (Davide Sordella & Pablo Benedetti)


Zina mora na Itália e está noiva. De ascendência marroquina, ela terá um casamento tradicional. Mas como não é mais virgem, Zina teme o que pode lhe acontecer. Shakira, travesti responsável por seu vestido, decide ajudá-la. Com a desculpa de procurarem o melhor vestido do mundo, os dois partem de carro para o Marrocos, onde Zina fará uma operação de reconstituição do hímen. Conforme avançam na jornada, a amizade dos dois ganha contornos mais ambíguos, e Shakira mostra-se cada vez menos decidida a fazer a roupa que irá entregar Zina a outro homem. Baseado numa história real.


Quinta - 02/10 - Palacio 2 - 16h10


Quinta - 02/10 - Palacio 2 - 20h10


Sábado - 04/10 - Est Barra Point 1 - 18h



. Garoto dos Sonhos - Dream Boy (Dir: James Bolton)


Nathan tem quinze anos e se muda com os pais para uma pequena e religiosa cidade no sul dos Estados Unidos. Um dia, ao voltar da igreja, ele repara em Roy, seu vizinho de dezessete anos que dirige o ônibus escolar. Roy tem uma namorada de quem parece gostar bastante, mas isso não impede que ele e Nathan se beijem apaixonadamente numa noite. E logo começa um romance que, dentro da conservadora cidade, precisa ser mantido em segredo. Quando dois amigos de Roy descobrem o caso, a história dos garotos sofre uma sinistra reviravolta. Baseado no romance de Jim Grimsley.


Sábado - 27/09 - Est Barra Point 1 - 16h


Domingo - 28/09 - Est Barra Point 1 -20h


Quarta - 01/10 - Palacio 2 - 16h30



. Apagar os rastros - Quemar las naves (Dir: Francisco Franco-Alba)


Sebastián e Helena, dois irmãos adolescentes, moram num casarão numa pequena cidade mexicana. Sua mãe está moribunda e os dois vivem encerrados, distantes de tudo. Inseparáveis, eles mantém uma profunda relação de dependência. Até que a mãe morre e Juan, um jovem de classe baixa, surge em suas vidas. A aparição de Juan mexe com os desejos de ambos, obrigando-os a tomar decisões em relação ao amor, ao sexo e à amizade. Para crescerem, os irmãos terão de quebrar o vínculo inseparável que sempre os regeu.


Sexta - 03/10 -Estação Botafogo 3 - 23h30


Quinta - 09/10 - Palacio 2 - 16h



. Clandestinos (Dir: Antonio Hens)


Xabi passou a infância e adolescência em reformatórios, de onde volta e meia fugia. Em uma de suas fugas, conheceu Iñaki, terrorista de meia-idade do ETA que logo virou seu mentor. Anos depois, novamente no reformatório, Xabi foge com dois amigos e sai à procura de Iñaki, na esperança de se juntar ao ETA. Iñaki está sumido, mas Xabi não desiste. Com os amigos, planeja soltar uma bomba em Madri para provar seu valor ao ETA e a Iñaki. No entanto, por trás do fanatismo ideológico, Xabi esconde uma motivação íntima que vai de encontro à realidade de qualquer organização terrorista.


Terça - 30/09 - Cine Santa - 21h


Quarta - 01/10 - Palacio 2 - 14h


Quarta - 01/10 - Palacio 2 - 19h


Domingo - 05/10 - Est Barra Point - 22h



. Uma história de amor - Chris & Don. A Love Story (Dir: Tina Mascara, Guido Santi)


Nos anos 40, o jovem Don Bachardy era apaixonado por cinema e celebridades. Aos 18 anos, conheceu o famoso escritor Christopher Isherwood, de 49 anos, cujo livro Histórias de Berlim foi a base literária do musical "Cabaret". Mesmo sob a desconfiança de todos, assumiram publicamente um romance e Don mudou-se para a casa de Christopher. Encorajado pelo parceiro, Don entrou na escola de arte, onde descobriu sua verdadeira vocação. Ele logo se tornou um grande retratista de celebridades. Ao longo dos anos, as diferenças de idade e de vida entre os dois sempre criaram obstáculos, mas o amor foi maior, e Don ficou ao lado de Christopher até sua morte, em 1986


Sábado - 27/09 - Palacio 2 - 14h


Sábado - 27/09 - Palacio 2 - 19h


Terça - 30/09 - Est Barra Point 2 - 22h15

tags: ,

publicado por o editor às 15:12
link do post | comentar | favorito
Domingo, 28 de Setembro de 2008

Mise en Scene

Mise en Scene
de Claude Cahun, Tacita Dean e Virginia Nimarkoh

Exposição e livro
Mise en Scene - Instituto de Arte Contemporânea (ICA), Londres - 13 de outubro a 27 de novembro de 1994

66 páginas (p.b)

Esta exposição reuniu Claude Cahun, Tacita Dean e Virginia Nimarkoh.
Tacita Dean (nascida em 1965) Inglêsa é uma artista visual mais conhecida por seu trabalho em película 16 milímetros, embora ela utiliza uma variedade de mídias, incluindo desenho, fotografia e som. Seus filmes muitas vezes empregam imagens estáticas e ângulos de camera que buscam criar uma atmosfera contemplativa. Já Virginia Nimarkoh nasceu em 7 de janeiro de 1967 e busca uma fotografia mais cotidiana. Mas qui quem nos interessa mesmo é
Claude Cahun (25 de Outubro de 1894 - 8 de Dezembro de 1954) artista francesa, fotógrafa e escritora. Seu trabalho era tanto político como pessoal, e muitas vezes jogou com os conceitos de gênero e sexualidade.

Lucy Schwob nasceu em Nantes, e era a sobrinha do escritor Marcel Schwob, bem como a do orientalista David Cahun Léon. Começou a fazer auto-retratos fotográficos em 1912, quando tinha apenas dezoito anos, e ela continuou realizando as imagens de si mesma através dos anos 30.

Em 1919, assume o pseudônimo Claude Cahun, intencionalmente selecionado como um nome sexualmente ambíguo.Anteriormente utilizou os nomes Claude Courlis e Daniel Douglas. Durante os primeiros vinte anos, viveu com sua irmã adotiva Suzanne Malherbe. Ela publicou artigos e romances, em especial no periódico "Mercure de France".

Ao longo da sua vida, trabalhou em uma série de monólogos chamado "heroínas", que foi baseado em conto de fadas de personagens femininos e a interligação entre elas com inevitáveis comparações com a imagem das mulheres contemporâneas. Em 1929, uma fotografia dela foi publicada na revista Bifur.

Além de lhe escrever, ela é mais lembrada pelos seus auto-retratos formente influinciados pelo Surrealismo. Em 1932 ela aderiu à Associação Ecrivains et des Artistes Révolutionnaires, onde ela conheceu André Breton e René Crevel. Depois disso, ela começou compartilhar as idéias surrealista do grupo, e mais tarde participou de uma série de exposições surrealistas, incluindo a de Londres (New Burlington Galeria) e a Exposição surréaliste d'Objectos (Charles Ratton Gallery, em Paris), ambas em 1936.

Os textos de Cahun foram publicados em 2002 como Claude Cahun - Écrits (ISBN 2-85893-616-1), editada por François Leperlier.



 
 
 
 
 

 
 
 
 
 

publicado por o editor às 18:54
link do post | comentar | favorito

O negócio do michê: A prostituição viril em São Paulo



O negócio do michê: A prostituição viril em São Paulo

de NESTOR PERLONGHER

Editora: Fundação Perseu Abramo

Páginas - 272


Este livro estava esgotado e agora está sendo relançado. Imperdível!


O livro O Negócio do Michê – A Prostituição Viril em São Paulo, do antropólogo argentino Néstor Perlongher, será lançado em nova edição, com novo prefácio



Referência fundamental para os estudiosos de sexualidade e gênero, tanto pela originalidade do tema, quanto pelas análises, O Negócio do Michê – A Prostituição Viril em São Paulo, surgiu como dissertação de mestrado em antropologia social na Unicamp, em 1986. Na época, 1986, o autor, o argentino Néstor Perlongher, enfrentou o descontentamento de parte do meio acadêmico, escandalizada com o tema de sua pesquisa pioneira.

Lançado pela editora Brasiliense um ano depois, com prefácio de Peter Fry, o livro tornou-se um clássico moderno da pesquisa etnográfica. Coube à Editora Fundação Perseu Abramo uma nova edição, com a íntegra do texto original e um novo prefácio, desta vez assinado pelos professores de sociologia e ciências sociais Richard Miskolci e Larissa Pelúcio.

O livro, escrito em linguagem não acadêmica, baseou-se nos depoimentos de michês, clientes e entendidos, ou pessoas do universo homossexual não envolvidas diretamente com a prostituição. Entre março de 1982 e janeiro de 1985, Perlongher, num procedimento chamado de pesquisa participante, foi às ruas, bares, saunas e mictórios públicos do centro de São Paulo, onde pôde estar em contato direto com o tema de seu estudo.

Ao mapeamento geográfico/cultural do trabalho do michê, Perlongher acrescentou amplo arsenal teórico, com citações que vão de Marx e a Escola de Chicago, a Foucault, Deleuze e Guattari.Coincidentemente, o livro surgiu em sintonia com outros estudos semelhantes pelo mundo, como o que originou a Teoria Queer, nos Estados Unidos.

Néstor Perlongher nasceu em Avellaneda, província de Buenos Aires, em 1942. Participou ativamente de movimentos pelos direitos dos homossexuais, primeiramente na Frente de Liberación Homosexual Argentina e depois no Grupo Eros. Em 1982, cansado das perseguições pela ditadura em seu país, veio para São Paulo. Logo ingressou na Unicamp, onde realizou a dissertação de mestrado que deu origem ao livro. Autor também de oito elogiados livros de poesia, faleceu em novembro de 1992, vitimado pela Aids.





















Desde sua primeira edição, em 1987, O negócio do michê se tornou uma leitura de referência para aquelas e aqueles que se interessam pelas discussões sobre o desejo, as urbanidades, as sexualidades, as corporalidades e o mercado do sexo. Néstor Perlongher leva as/os leitoras/res aos bares, saunas e ruas de uma São Paulo noturna e apaixonadamente transgressiva, onde rapazes comercializam sexo, amam, brigam, negociam códigos e, por vezes, desejam o indesejável. Construído a partir de uma intensa etnografia e de uma densa análise teórica, O negócio do michê tem hoje a marca dos clássicos e, como tal, guarda uma contemporaneidade surpreendente.



Apresentação:

“Em primeiro lugar, quero frisar que este livro não é apenas mais um estudo frio das margens perversas de São Paulo. Na melhor tradição da antropologia social, o texto exsude a simpatia que o autor tem para com seu 'objeto de estudo'. Não no sentido de uma apologia formal de advogado, mas de uma séria tentativa de 'traduzir' a experiência dessas margens para que o leitor possa entendê-las na sua integridade (em todos os sentidos da palavra).” (Peter Fry)



Peter Fry, ao prefaciar a primeira edição de O negócio do michê – A prostituição viril em São Paulo, traduziu o sentimento futuro de leitores e leitoras que iriam encontrar na dissertação de mestrado de Néstor Perlongher uma rica fonte de reflexões teóricas e um instigante “guia” etnográfico.



Em meados da década de 1980, Perlongher se pôs à deriva numa São Paulo noturna e sexual, cartografando os corpos e os códigos de toda uma territorialidade desprezada pelos cientistas de “respeito”. Alguns se escandalizaram com o título da dissertação que abordava michês, prostituição e virilidade. Os vanguardismos costumam ter a marca da incompreensão e não foi diferente com O negócio do michê.



Perlongher se autodefinia um “pensador callejero” (das ruas), assim, a claustrofobia das normas canônicas não cabiam em sua escrita barroca nem em seu voluptuoso arsenal teórico que vai de Marx à Escola de Chicago e chega a Foucault, Deleuze e Guattari. Sem o saber, desenvolvia reflexões em sintonia com as que – nos Estados Unidos – originariam a teoria queer. Por tudo isso, o estudo de Perlongher mantém-se atual e fascinante.




Serviço:
Lançamentos do livro O Negócio do Michê

Quando: 8/10, às 10:00


Onde: UFSCAR, São Carlos


Presenças do antropólogo Júlio de Assis Simões e da ativista Regina Facchini. Na ocasião eles farão a palestra Sexualidade e Política no Brasil.


publicado por o editor às 18:21
link do post | comentar | favorito

GRAÇAS E DESGRAÇAS DE UM CASAL VENTOSO


GRAÇAS E DESGRAÇAS DE UM CASAL VENTOSO de RIMBAUD VERLAINE

Coleção - MEMÓRIA DO ABISMO


Editora : HIENA SOD


Páginas - 133



Jean-Nicolas Arthur Rimbaud (20 de outubro de 1854, Charleville - 10 de novembro de 1891, Marselha) foi um poeta francês. Paul Marie Verlaine (30 de Março, 1844 – 8 de Janeiro, 1896) é considerado um dos maiores e mais populares poetas franceses.

Vamos à história - Na maioria das vezes, a história de Rimbaud é apresentada como principal ponto de partida para a leitura de sua obra, o que torna quase impossível olhar-se a obra de Rimbaud com olhos livres.



Rimbaud partiu para traficar armas de fogo no norte da África de um lado, e escrevia para revista Alquimia do Verbo por outro, tornou-se um tipo de referência para a poesia no século seguinte: servindo como argumento à tese que nascia sobre a impossibilidade de ser considerada a dissociação entre o poeta e sua poesia. O poeta, assim, vive e é sua poesia - pensamento em voga ainda hoje segundo algumas escolas.



Mas o que importa é que ele retornou a Paris em setembro de 1871 por um convite do eminente poeta simbolista Paul Verlaine (depois que Rimbaud lhe mandou uma carta contendo vários exemplos do seu trabalho) e residiu brevemente em sua casa. Verlaine, que era casado, apaixonou-se prontamente pelo adolescente calado, de olhos azuis e cabelos castanhos-claro comprido. Tornaram-se amantes e levaram uma vida ociosa, regada a absinto e haxixe. Escandalizaram o círculo literário parisiense por causa do comportamento ultrajante de Rimbaud, o arquetípico enfant terrible, que durante este período continuou a escrever notáveis versos visionários.



O caso amoroso tempestuoso do Rimbaud e Verlaine os levou a Londres em setembro de 1872, Verlaine abandonando sua esposa e um filho pequeno (ambos sofriam de abusos durante as iras alcoólicas de Verlaine). Os amantes viveram em uma pobreza considerável, em Bloomsbury e em Camden Town, desprezando uma vida de ensino e uma pensão da mãe de Verlaine. Rimbaud passou seus dias no Reading Room do British Museum onde "calor, luz, penas e tinta eram de graça".



Em junho de 1873, Verlaine voltou para Paris, onde a ausência de Rimbaud foi difícil de agüentar. Em oito de julho, ele mandou um telegrama ao jovem poeta, lhe dando instruções para ir ao Hotel Liège em Bruxelas; Rimbaud concordou imediatamente. O encontro de Bruxelas foi péssimo; um argumentando contra o outro e Verlaine bebendo constantemente. Na manhã de dez de julho, Verlaine comprou um revolver e munição; à tarde, numa "fúria de bêbado", disparou dois tiros em Rimbaud, um deles ferindo o poeta, de dezoito anos, no pulso.



Rimbaud considerou o ferimento superficial e a princípio não acusou Verlaine. Após isto, ele e sua mãe acompanharam Rimbaud a uma estação de trem em Bruxelas, onde Verlaine se comportou como um louco. Isto fez Rimbaud sentir medo do poeta, que então se virou e foi embora. Em suas palavras "então eu [Rimbaud] implorei para um policial o prender [Verlaine]". Ele foi detido por tentativa de homicídio e submetido a um exame médico humilhante. Também foi interrogado sobre sua correspondência íntima com seu amante e sobre as acusações de sua mulher sobre a natureza de sua relação com Rimbaud, que eventualmente retirou suas queixas, porém o juiz condenou Verlaine a dois anos de prisão.



Por outro lado podemos resumir a partipação de Verlaine na vida de Rimbaud da seguinte forma: Verlaine voltou a Paris em agosto de 1871, e em setembro, recebeu a primeira carta do poeta Arthur Rimbaud. Em 1872, ele já havia perdido interesse em Mathilde, e logo abandonou-a com seu filho, preferindo a companhia de seu novo amante. A tempestuosa relação amorosa de Rimbaud e Verlaine os levou a Londres, em 1872. Em julho de 1872 em uma bêbada crise ciumenta, ele disparou dois tiros com uma pistola em Rimbaud, atingindo seu pulso, mas sem causar-lhe sérios danos. Como resultado indireto desse acidente, Verlaine foi preso e encarcerado em Mons, onde ele experimentou uma conversão à Igreja Católica, o que novamente influenciou suas obras e provocou críticas afiadas de Rimbaud. O resto vocês tentem entender lendo suas obras e este livro que recomendamos.


publicado por o editor às 13:12
link do post | comentar | favorito

Novas Famílias




Novas Famílias
de Luiz Mello

Segundo Roger Raupp Rios (Juiz Federal, Mestre e Doutor em Direito, Pesquisador Associado ao NUPACS/UFRGS, membro do CLAM e Professor de Direito Constitucional) este livro "propicia aos pesquisadores e aos interessados em geral um estudo abrangente e cuidadoso sobre a polêmica questão da conjugalidade homossexual no Brasil contemporâneo. Trata-se, sem dúvida, de um trabalho valioso e oportuno: tomando como ponto de partida o Projeto de Lei Federal nº 1.151/1995, ele lança luz sobre as origens parlamentares e o desenvolvimento, no Congresso Nacional, dos debates sobre a regulação e o reconhecimento jurídico das uniões entre pessoas do mesmo sexo. Por meio de uma análise dos debates na Câmara dos Deputados, que abrange todas as fases pelas quais passou o projeto, o autor contextualiza a argumentação parlamentar em favor e em oposição ao projeto. Revela, além disso, como e por meio de quais atores foi conduzida ao Parlamento a voz da sociedade civil. Todo este quadro é acrescido da análise conceitual do pano-de-fundo donde brota toda essa disputa legislativa: a emergência de novas famílias que desafiam o heterocentrismo familiar, realidade que, ao mesmo tempo em que enfrenta posturas recorrentes de intolerância religiosa, depara-se com os discursos familistas acionados por muitos grupos homossexuais. Este trabalho sério e competente, portanto, não só vem em boa hora, como também oferece aos seus leitores material e reflexão sobre um dos temas mais recorrentes e polêmicos na luta pela afirmação da democracia, da diversidade e do pluralismo entre nós."

Um lançamento


GARAMNOND


Universitária


publicado por o editor às 13:10
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Setembro de 2008

Brigitte Lahaie, um ensaio íntimo


Brigitte Lahaie, cujo verdadeiro nome Lucille Brigitte Jeanine Van Meerhaegue, é radialista e ex-atriz pornô, nascida em 12 de outubro de 1955 em Tourcoing (norte da França). Foi uma das primeiras estrelas francêsas de filmes pornográficos em momento hoje considerado a "idade de ouro" quando passarama ser rodados filmes rodados em 35 mm e da liberação sexual dos anos 1970 a 1980. Loira escultural, Brigitte Lahaie foi a musa desse período.

 

Vinte anos depois, ela continua a fazer aparições regulares nos filmes convencionais, ou em programas eróticos na televisão. Mesmo antes de abandonar sua carreira no erótico Brigitte Lahaie tinha realizado papéis em filmes não-pornográfico, incluindo participações em filmes realizados por Jean Rollin.

 

Ela também tentou a literatura e escreveu dois romances publicados em branco Flammarion: A mulher modelo (1991), que conta a história de uma mulher casada que decide posar nua, e O significado da vida (1994). Ele também escreveu alguns ensaios sobre sexualidade: Os caminhos do amor melhor (Ja'i Lu, 1999), Amor e Sexo (Morabito, 2004), etc .

 

A Ideia deste livro partiu de Claude Alexandre que convidando Pierre Bairgende quiseram fazer um livro não erótico. Passar a intimidade de Brigitte Lahaie no seu dia a dia. Fotografa-la em casa, em companhia de seus animais. Bem, foram justamente as inocentes fotos com os animais que acabaram por causar certa polêmica e insinuações. Mas isso já é uma outra história.

 

Confira aqui algumas fotos desse excelente

ensaio.

Raul Galalite

publicado por o editor às 04:05
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 25 de Setembro de 2008

A Personagem Homossexual no Cinema Brasileiro


A Personagem Homossexual no Cinema Brasileiro de Antônio Moreno Editora EdUFF

A Personagem Homossexual no Cinema Brasileiro, de Antônio Moreno, cineasta, pesquisador e professor de Cinema do Departamento de Cinema e Vídeo da UFF é na verdade um ótimo ponto de partida para compreender de como o nosso cinema trata o homossexualismo. A partir de 127 filmes de 1923 a 1996, o autor levantou as principais marcas que compõem o homossexual imaginado pelo cinema brasileiro.



Segundo ele "o tema homossexualismo era um tabu até o final da década de 60. E só sobressai quando é levada em tom de comédia. Embora se baseie em ficção, eu acho que a visão da sociedade é mostrada no livro".



A obra mostra muitos pontos que contribuem para a intolerância para com os homossexuais. Na análise das histórias narradas nos filmes está contido um universo de elementos para reflexão. A tese de Antonio Moreno transformada em livro pelas editoras UFF e Funarte, “A Personagem Homossexual no Cinema Brasileiro” traz um levantamento que é interrompido em 1996.



Doze anos depois temos muito que contar, porém avaliando a representação dos homossexuais na produção nacional até aquela época a conclusão é um tanto óbvia e em mais de 60% dos filmes analisados, os homossexuais são tratados de forma pejorativa.
























Confira aqui alguns trechos dos filmes citados e/ou analisados no livro
 

 

E.Cruz


publicado por o editor às 04:31
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 24 de Setembro de 2008

Duplamente Abençoado: Sobre Ser Gay e Judeu

Duplamente Abençoado: Sobre Ser Gay e Judeu

 

(organização)

 

de CHRISTIE BALKA e ANDY ROSE


Uma coletânea pioneira sobre judeus que assumem a homossexualidade e mantêm laços com a comunidade judaica. Ensaios e artigos com testemunhos de experiências de gays e lésbicas judeus e suas dificuldades diante das tradições culturais e religiosas.


Na Espanha do século XV, a Inquisição exigia que todos os judeus se convertessem ou se exilassem. Entretanto, alguns judeus enveredaram por um caminho diferente, convertendo-se externamente ao cristianismo e, secretamente, observando as práticas judaicas em seus lares. Conhecidos como conversos, estes judeus eram marginalizados, considerados anormais na história judaica. Os judeus homossexuais têm amargado um destino semelhante. E, com freqüência, escondem sua orientação sexual para poder sobreviver como judeus. "Duplamente Abençoado - Sobre Ser Gay e Judeu" é uma pioneira coletânea sobre judeus que assumem a homossexualidade e mantêm laços com a comunidade judaica.

 

São ensaios e artigos com testemunhos de experiências de gays e lésbicas judeus e suas dificuldades diante das tradições culturais e religiosas. O livro mostra como a experiência judaica lésbico-gay não é monolítica. Antes, é influenciada pelas vicissitudes da identidade, do sexo, da idade, da classe, da geografia, da habiliade física e de outros fatores. Poderoso testemunho de resistência ao preconceito, tem alcance universal como um tocante chamado à tolerância e a aceitação do semelhante.

 

"Em raras ocasiões, quando interagi com a organizada comunidade judaica, não desafiei suposições tácitas, feitas por outros, de que eu era heterossexual. Em resumo, isto alimentou uma profunda sensação de falta de autenticidade, que carreguei na condição de judia," explica Christie.

 

um livro da

 

ROSA DOS TEMPOS


publicado por o editor às 05:33
link do post | comentar | favorito

Rupturas Possíveis: a série Os Assumidos (Queer as folk)

Rupturas Possíveis:


a série Os Assumidos


(Queer as folk)



Rupturas Possíveis: representação e cotidiano na série Os Assumidos (Queer as folk)


de Sofia Zanforlin



198 páginas



Apresentação Tânia Montoro




O livro percorre os 22 episódios da primeira temporada da série de TV Os Assumidos (Queer as folk) e realiza uma análise crítica das temáticas abordadas pelo seriado. As representações são questionadas para responder à pergunta: a visibilidade conferida pela TV pode representar o caminho para uma convivência e respeito às diferenças, ou, ao contrário, reafirma e cria novos estereótipos?



Queer as Folk é o nome de duas séries televisivas dramáticas de sucesso, criados por Russell T. Davies. O nome do seriado é uma brincadeira com um ditado inglês, de "ninguém é tão estranho como nós" ("nobody is so weird as folk"), para "ninguém é tão gay como nós" ("nobody is so queer as folk").

A série original começou a ser produzido em 1999 pelo Red Production Company para o canal aberto Canal 4 do Reino Unido. Contava os conflitos diários de três homens gays vivendo em Manchester.

O seriado adaptado foi uma co-produção Estados Unidos–Canadá e começou a ser transmitido em 2000 nos seguintes canais de televisão a cabo: Showtime (EUA) e Showcase (Canadá). Contava a história de cinco homens gays e uma casal de lésbicas que viviam em Pittsburgh, Pennsylvania.

Houve algumas diferenças óbvias entre os dois seriados: primeiro na quantidade de personagens e tramas principais, segundo nas cenas de nudez (devido ao fato de que o segundo era transmitido em canais de televisão a cabo, e o primeiro não).
 

" Este seriado é um marco na luta dos direitos GLBT, pois investe em uma trama sem cunho pornográfico ou apelativo, mostrando homossexuais como pessoas normais, vivendo o seu dia-a-dia. As dificuldades e conquistas desta comunidade são brilhantemente retratadas neste seriado. "



O LIVRO É UM LANÇAMENTO DA


ANNABLUME


publicado por o editor às 05:32
link do post | comentar | favorito

.Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

14
15
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.arquivos

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

.tags

. annablume

. apicuri

. armariosemportas

. arte erótica

. artes plasticas. livro

. atelie editorial

. atualidades

. autentica

. biblioteca básica

. biografia

. bondage

. cchla-ufrn

. centro editorial e didatico da ufba

. cinema

. civilização brasileira

. coleção: humanitas

. comportamento

. comunicação

. depoimentos

. desatino

. design

. direitos humanos

. dix editorial

. e cruz

. edições gls

. ediouro

. editora fundação perseu abramo

. editora jaboticaba

. educação

. ensaio

. ensaios

. estética

. evento

. fabrica de leitura

. ficção

. ficção histórica

. fics

. fotografia

. garamond

. gay

. gays

. gênero

. global

. gls

. história

. homossexualismo

. inglês

. lançamento

. lesbicas e simpatizantes - gls

. literatura

. literatura erótica

. livro

. livro esgotado

. mensagem do editor

. mídia

. notícias

. nú masculino

. panhol

. paz e terra

. poesia

. política

. raul galalite

. record

. relançamento

. revista

. rio de janeiro

. rocco

. rosa dos tempos

. sá editora

. summus

. summus editorial

. taschen

. ufmg

. ufng

. uicamp

. unesp

. v congresso da abeh

. vivências

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds